19 de fev de 2009

B de Bruxa

Passam as bruxas
fogem de seu carrasco
seus feitiços não fizeram efeito
talvez se joguem de algum penhasco
não acreditaram em si mesmas,
isso foi um fiasco!

A de Assassinato

Matei a métrica e a estilística
num tiro só
não fugi, não menti
nem omiti que o fiz
me assumo culpada pelo crime
exposto aqui

15 de fev de 2009

Quiáltera

O que você vai pensar
quando se olhar no espelho
e vir que estou dentro dos teus olhos?
Eu posso escorregar das suas mãos...

Cada nota sua permanece
tocando dentro de mim

13 de fev de 2009

Sem dor

Não se pode viver sem dor

O coração deveria vir numa caixinha
muito bem almofadada
embrulhado em plástico bolha
e com um adesivo amarelo escrito "Cuidado! Frágil!"

Corações se partem muito facilmente...

7 de fev de 2009

Bússola

Me orienta
desorienta

mostra o norte
não deixa eu me perder
não quero te perder

4 de fev de 2009

Dança espanhola numa noite de novembro

Coisas confusas iluminado uma noite de verão
e eu pensei no seu nome
Pego uma flor que voa e a jogo pro alto
ela explode numa alucinação de cores
que colore uma multidão de palhaços de uma dança cigana que roda e roda
Passam os cheiros de tudo que nunca se imaginou
tropeçam em algo e quebram os vidros
fogem dos lobos
se escondem em argolas do mesmo circo

Vem dançar comigo
não sei o motivo
(você sabe, eu sempre nego)
Começo aos poucos
ofereço um brinde, você olha os insetos
Escondem os olhos com panos bonitos em ritos secretos
Andam no escuro e enxergam imagens que não sei o nome
são raios que brilham e quase nos deixam cegos

A dança segue

Meus dias de chuva (Seus dias nublados ou O meu "10 coisas que odeio em você")

Eu não suporto
esse silêncio no teu olhar
esse vazio nas suas palavras
seus pensamentos mesquinhos
seu comportamento evasivo
seus dias nublados
os filmes que você gosta
as músicas que você canta
sua forma de declamar meus versos
e a confusão que isso faz na minha mente

A letra

Eu te coloquei numa folha e te traduzi
Escrevi cada palavra,
cada vírgula:
"Eu sou o seu antídoto e o seu veneno
sou seu câncer e sua cura
sou seu clichê
sua originalidade
sua lágrima, seu sorriso
sou teu sinal de trânsito
sou um telefonema no meio da madrugada
sua desconfiança
a sua declaração de amor e
a sua declaração de guerra
a sua carteira vazia
a sua barra de chocolate
Eu sou o peixinho do seu aquário
seu bandido em fuga
seu piloto de fórmula 1
seu retrato em 3 x 4
seu cd do Radiohead
sou seu telejornal
a voz do seu rádio
o lixo da sua casa
sou seu dia nublado
a sua praia
o barulho do vento...
Sou o sumiço do seu troféu
a entrega do seu prêmio
seu cheque sem fundo
seu celular sem crédito
seu relógio do camelô
seu livro de piadas
seu bicho de estimação
seu filme preferido
sua novela mexicana
seu livro de Biologia
seu copo de cachaça e sua taça de champagne.
Sou seu lutador de sumô e seu bailarino
sou seu violão sem cordas
sou Chico Buarque e Bruce Dickinson
sou margarida e orquídea
sou essa canção e sou teu necessário".

Devoção

Fico te olhando como se estivesse hipnotizada,
enfeitiçada
Olho como um gesto de contemplação,
adoração

Fica!

Per

Meus risos

correm

escorrem

aos litros


E você baba

2 de fev de 2009

Willkommen

Mas esse é o erro do vício
é uma parte da oração das prostitutas
O segundo passo
é perceber que encontrou
algo que precisava,
o mundo fica mais completo

O erro do vício
é exatamente a segunda vez:
o segundo passo,
o mundo preenchido
por algo que não conhecia
Esse é o erro do vício

O terceiro passo
é achar que tem o controle
Você não está no comando
Não vai conseguir
parar quando quiser

É assim a oração das prostitutas,
pedir a benção pro pecado.

Meu Copperfield

Eu passo horas
tentando
desvendar
seus truques
mágicos
Querendo saber
como você consegue
me encantar tanto

Oito

Toda vez que o telefone toca
o meu coração dispara:
pode ser você!
Toda vez que o telefone toca
o meu coração dispara:
pode ser você!
Toda vez que o telefone toca
o meu coração dispara:
pode ser você!
Toda vez que o telefone toca
o meu coração dispara:
pode ser você!
Toda vez que o telefone toca
o meu coração dispara:
pode ser você!
Toda vez que o telefone toca
o meu coração dispara:
pode ser você!
Toda vez que o telefone toca
o meu coração dispara:
pode ser você!
Toda vez que o telefone toca
o meu coração dispara:
pode ser você!

Entre marolas

Nós somos dois turrões
Eu só queria saber a sua opinião
Você só queria dar um mergulho
Eu tinha medo de me afogar
Mas há certas coisas
Que só se faz a dois
Às três da madrugada
E com aquela música de fundo

Você gosta de ver os sol nascer na praia
Eu gosto de dormir até às onze
Nós dois não gostamos de perder
E mesmo assim gostamos de apostar alto
Mesmo quando sabemos que não temos chances de ganhar

Nós somos dois inconseqüentes
Nós dois sabemos que morrer de rir
É morrer feliz

1 de fev de 2009

As rugas dos meus vinte anos

Parem o mundo!!!
Eu quero parar o mundo
Eu quero que o mundo pare
Antes que os vinte soldados
fortemente armados cheguem
para o meu fuzilamento

Eles se aproximam cantando
felizes porque vão matar
dezenove seres bizarros
Vão matar-me aos poucos

Os vinte soldados entram
sem ser convidados
arrombam as portas
e se preparam para atirar

São vinte soldados
famintos
pedindo uma gota de sangue.



Escrito em janeiro de 2004.

O azul

Pensei em ir um pouco mais à frente
mas ele poderia ser muito profundo
poderia ser bravio
poderia não dar pé
fiquei com medo por não saber o que iria encontrar
eu poderia não ter forças para nadar contra a correnteza