7 de ago de 2014

Cidade

Aos que pulam das pedras
sedentos desse teu azul
Aos que fogem das pedras
por medo da exposição das fraquezas
Aos que procuram as pedras
por fome ou desamparo

És mão
que lhes afaga e espanca