20 de fev de 2011

Ele, enquanto dormia

Escrevia na própria pele as coisas que achava bonitas
e escrever já era algo quase como respirar
De tudo, nem ligava mais para o cinismo que restara
Caminhava pela vida
e deixava suas pegadas na areia
Sorria
e isso bastava