10 de mai de 2014

Sem título

Eu já nem sempre percebo quando a maré sobe
E às vezes bate o assombro
de não ter me dado conta do poder do mar
O mesmo assombro das manhãs
em que as paredes gritam seu nome
e eu me pego não sei se em desespero ou em encanto